Mauro Dellal

A profecia

Era fim de uma sexta-feira do ano de 2666. Ele estava pronto para descansar sempre descansava aos sbados desde o incio da criao era assim. O sbado era sagrado! Sbado? Sim, sim. Todo sbado era santo para Ele. Alis, nada mais santo do que Ele! Desligou os raios, acomodou algumas nuvens bem macias e colocou o sol para lhe nascer somente no domingo, dia de trabalho. Pensou novamente naquela coisa de segunda-feira. Se era segunda, o primeiro dia era o domingo. Portanto, dia de trabalho. Riu-se; afinal jurara por Ele mesmo no mais querer entender as maluquices dos seus filhos. Faziam tanta bobagem... Mas Pai Pai. Ora se ! Incomodava-se com essa coisa de me pr l, me pr c. Ele era Pai e dos bons. De vez em quando se enfurecia e mandava um terremoto; ou naquela vez em que fez chover. Riu de novo e ficou com vergonha de Si. Era pr ser uma chuva boa, sim, daquelas que lavam e purificam. Mas quarenta dias? Deu uma gargalhada, daquelas que nos fazem bem alma, e lembrou-se de que o ministro da Natureza, j meio surdo, entendera tudo errado:

- Manda gua, Pedro!

- Quantas horas, chefe?

- Qu! Tenta dois dias!

- Certo, Boss!

Pedro gostava de certa intimidade. Mas achou demais. Mesmo para ele, que ficava incomodado com a aquela babao de ovo pelos mortais. Achou demais quarenta e dois dias.

- Quarenta e olhe l, definiu, para no parecer estar indo de encontro s ordens! - E no vai salvar ningum, perguntou?

-E no ? Animal! Eram ntimos mesmo! - Manda um anjo avisar l embaixo.

E desceu gua... E foi assim que No conseguiu escapar com aquela animalhada toda.

Ou naquela vez em que o santo estava incomodado com aquela festinha que no acabava nunca em Sodoma e Gomorra. Vivia pedindo a Ele para dar um jeito.

- Deixa as crianas se divertirem, Pedro! Dizia.

- Mas preciso fazer algo, bradava Pedro. Alguma coisa!

- Arre!

- Boa, Captain! Pedro s vezes exagerava. Por que no pensei nisso antes, dizendo isso esfregando as mos.

E foi assim que acabou a farra: as duas cidades foram varridas do mapa.

Desde esse dia, Ele prometeu que no mais utilizaria essas interjeies antigas. Alm de transferir Pedro para uma funo mais segura: porteiro.

No fundo, os males vieram para bem: Ele ganhou fama de mal-humorado; ganhou mais respeito e todos O temiam. Pai precisa ser respeitado, pensou com certo orgulho.

Mas no fundo, no fundo era um bom Pai: criou o universo, as galxias, os planetas, at um paraso. Tudo muito bonito, certinho, azeitado... Porm aquelas duas crianas estavam muito mal acostumadas. No faziam nada alm de comer, beber, brincar, dormir... Uma vida que qualquer pessoa pediria a Ele. Mas foram logo mexer na macieira. Tanto coisa para mexer e logo na macieira? Tinha um cime danado daquela rvore. Adorava demais aquelas frutinhas saborosas. Mas o que acontece quando dizemos s crianas para no mexerem em algo? Pois : mexem. Deveria ter usado a psicologia reversa, pensou; mas nem existia a psicologia ainda...  Ento percebeu que era hora dos filhos resolverem a vida: mandou os dois embora, no sem antes prometer que sempre daria uma olhadinha.

Pois bem, estava Ele pronto para o seu descanso semanal, quando Lhe solicitada uma audincia especial. Ele no acreditou. E s no rogou praga, porque no ia contra o prprio negcio. Achou melhor atender.

Um grupo de santos adentrou sem a menor cerimnia. Estavam todos inquietos e preocupados. Uma santinha muito jovem se aproximou e disse:

- Louvado seja nosso Senhor. Era muito educada a moa.

- Amm, respondeu Ele com um sorriso maroto pela graa da coisa. O que querem comigo? - No sabem que o sbado vai comear?

Eles todos se entreolharam e no puderam conter um certo riso. Afinal, desde o final do sculo XX e  o incio do XXI, essa histria de horrio e dias rgidos de trabalho estava fora de moda. Era o chefe. Podia gozar de frias quando quisesse. Se estava no local de trabalho, e havia necessidade de solues importantes, que trabalhasse, ora. A jovenzinha, apesar da pouca experincia, tomou a palavra:

- Senhor, viemos aqui, pois precisamos tratar de um assunto muito srio.

- E qual seria esse assunto, santa... Santa... Santa senhora, disse Ele ao se ver no reconhecendo aquela colaboradora.

- Santa Pamela Jennifer, Senhor.

- Claro, claro! Santa Pamela! Protetora das...

- Conexes cadas, completou ela.

- Mas que diab... Quer dizer, que significa isso?

Pamela Jennifer Siveira da Silva fora uma jovem brasileira muito pobre. Desde criana, interessou-se pela cincia digital. Desenvolveu em sua comunidade, a favela das balas perdidas, um programa de insero social na rea da informtica: conseguiu computadores velhos, muito lentos, doados pela alta sociedade (a classe mdia h muito fora extinta), e os transformou em mquinas operacionais, levando a cultura da internet a todos na comunidade. Foi morta por um usurio (de drogas, no de computador), apaixonado por ela, apenas por t-lo recusado na rede mundial de amizade. Uma morte horrvel: enquanto a matava lentamente, por meio da fome e da abstinncia do PC, leu para ela todos os livros do Paulo Coelho.

- Santa senhora...

- Pamela! Tinha orgulho de sua origem.

- Isso, isso (impaciente)! Quando foi canonizada?

- Em 2140, Senhor. Durante a campanha de renovao das santidades. Muitas coisas modernas sem proteo.

- E por que no fui informado disso?

- Foi num sbado.

- Ah... Ento, senhora, qual o problema?

- O problema, Senhor, a corrente?

- Hein?

- A cor-ren-te, disse ela pausadamente em alto e bom som, abrindo os braos e fazendo cara de ai meu deus.

- Quer explicar!

- Essas mensagens via internet que as pessoas mandam, pedindo graas e as recebendo caso enviem para outras tantas. Isso se espalha tal qual uma praga. No to boa como as que o Senhor produz, claro!

- Puxa-saco... Falou baixinho para Si. - Sei, sei, um golpe de publicidade genial, no? Fez crescer muito a religiosidade dos meus filhos.

- Fez tambm crescer outras coisas, Senhor.

- O qu? Perguntou Ele.

- Divrcio, crime, seqestro, violncia, espionagem e at mesmo a venda de livros do Paulo Coelho.

- Oh, meu Deus!

- Exibido, pensou ela.

- Mas como isso foi acontecer?

- Simples, disse ela com a autoridade da protetora das conexes cadas, as pessoas pedem ajuda e acabam convencendo outras de que os livros do Paulo...

- No, no, interrompeu Ele, no me refiro a isso. Refiro-me a tudo.

- Mais simples ainda. Um pequeno exemplo: Joo casado com Maria e gosta da Cludia; esta, por sua, vez gosta da Maria tambm. Srgio, marido de Cludia, gay e apaixonado por Joo.

- Simples? Isso muito complicado. Pelo relatrio apresentado, os pedidos foram atendidos. E Joo matou Maria para ficar com a Cludia, pois Maria soube de tudo e raspou-lhe at o ltimo centavo. Cludia, desesperada pela morte do amor (Maria), matou-se, e Srgio matou Joo que o rejeitou.

- Foi s um mal entendido.

- Mal entendido??? Isso uma catstrofe. Imagino o tamanho dessa confuso. Vocs no podem atender a todos os pedidos. Precisam avaliar as conseqncias.

- Mas isso no possvel, pois as correntes se multiplicam como pes (ela gostava de se referir aos milagres da casa), disse a santinha esperando uma soluo.

- Pois ! - A soluo uma s: acabar com a informtica.

Foi uma grita geral. Os santos haviam ganhado fama e reconhecimento justamente por utilizarem a santa mala-direta. Tinham muitos devotos e no queriam voltar ao mtodo antigo. Alm disso, seria levar a humanidade 650 anos ao reverso.

- Senhor, ns temos outra soluo.

- Qual?

- No d pr fazer tudo de novo?

- Fazer o qu, mulher?

- O mundo.

- Hein!?

- , se acabar com a informtica, a humanidade voltar idade da pedra. No seria melhor refazer tudo?

- Pensando bem...

- Ser melhor; no , gente?

TODOS: !

ELE: Pois que assim seja.

ELA: Mas queremos mais um pedido.

ELE: Qual?

ELA: D pra fazer j moderno?

ELE: Assim, direto, sem evoluo?

TODOS: !

ELA: Ser melhor. Todos j crescidos, familiarizados com as ferramentas modernas de comunicao etc...

ELE: Ser?

TODOS: !

ELE: Pois bem. Que assim seja.

E tirou da gaveta seu computador pessoal.

ELA: XP ou VISTA?

ELE: MAC!

ELA: MAC? Por qu?

ELE: Tem ma!

TODOS: Ah...

ELE: Preparem-se, ento, meus santos e santas, preparem-se para o que est escrito no livro sagrado.

Todos se entreolharam com cara de desconhecimento geral.

ELE: A Bblia, gente!

Mais caras de espanto. Algum perguntou: do Paulo Coelho?

Ele, ento, j cansado, apertou o botozinho vermelho: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 trombetas soaram; 4 cavaleiros desceram terra e a devastaram por completo. Era o dia 6 do 6 de 2666. 6 horas e 6 minutos. E no que aquele anjo cado tinha razo, disse ele para Si.

ELE: Pronto, gente!

ELA: Vai refazer agora.

ELE: Agora, no.

ELA: Por qu?

ELE: sbado!

TODOS: Ah... mm

Saram e O deixaram s. Iniciou seu descanso e comeou a repensar o mundo. Domingo seria um dia de muito trabalho. Mas uma coisa j era certa: no novo mundo s haveria macieiras e todo dia seria sbado. Sem correntes... De nenhum tipo.

 

 

Alle Rechte an diesem Beitrag liegen beim Autoren. Der Beitrag wurde auf e-Stories.org vom Autor eingeschickt Mauro Dellal.
Verffentlicht auf e-Stories.org am 24.01.2008.

 

Leserkommentare (0)


Deine Meinung:

Deine Meinung ist uns und den Autoren wichtig! Diese sollte jedoch sachlich sein und nicht die Autoren persnlich beleidigen. Wir behalten uns das Recht vor diese Eintrge zu lschen! Dein Kommentar erscheint ffentlich auf der Homepage - Fr private Kommentare sende eine Mail an den Autoren!

Navigation

Vorheriger Titel Nchster Titel


Beschwerde an die Redaktion

Autor: nderungen kannst Du im Mitgliedsbereich vornehmen!

Mehr aus der Kategorie"Humour" (Kurzgeschichten)

Weitere Beitrge von Mauro Dellal

Hat Dir dieser Beitrag gefallen?
Dann schau Dir doch mal diese Vorschlge an:

O fio - Mauro Dellal (Fairy Tales)
Heaven and Hell - Rainer Tiemann (Humour)
A Long, Dry Season - William Vaudrain (Life)