Flavio Cruz

Eu acredito em Papai Noel (por isso enviei uma carta)

Querido Papai Noel

Eu sei que estou crescido e já passei da idade de escrever cartas para o senhor. Na verdade, eu nem deveria acreditar que o senhor existe. Para isso, porém, eu tenho uma explicação. As pessoas hoje em dia acreditam em cada coisa que o senhor nem vai acreditar. Achei, então, que eu também tinha o direito. Certo? Não custa nada tentar.
Não vou pedir aquelas coisas óbvias, saúde, dinheiro, felicidade, etc. Se fosse assim tão fácil, não haveria crianças doentes e passando fome, concorda? Vou pedir umas coisas que são um pouco mais altruístas, para variar. Quem sabe o senhor se comove com minha ausência de egoísmo e de interesse próprio, e acabe dando uma ajudazinha para esse mundo cruel. Acho que a coisa mais importante mesmo, são as crianças. Muitas estão com fome e sem casa pelo mundo todo. Para não ficar muito pesado para o seu orçamento, nem precisa arrumar um montão de alimentos. É só redistribuir o que já existe. Nem precisa pedir para as pessoas comerem menos ou qualquer coisa assim. Basta aproveitar o que é jogado fora e desperdiçado em muitos países. Moradia, família? Existe tanta gente tentando adotar crianças e não consegue. Viu como é fácil? É só ajeitar as coisas, eliminar a burocracia, etc. 
Agora existe a história do Estado Islâmico. Aqueles caras são horríveis, eu sei que é uma parada dura mesmo para o senhor. Além disso, eles nem acreditam em Papai Noel. Pode? Quem sabe a sua secretária não poderia enviar umas cartilhas de evangelização para eles, quem sabe eles poderiam virar cristãos? Se bem que existe cada cristão, também. Sabe de uma coisa? Deixa quieto. É capaz de piorar tudo.
Existe o problema de armamento. Eu sei, é difícil também. Vê o que dá para fazer, pelo menos para melhorar um pouco a situação.
Agora, o mais importante mesmo - depois das crianças, é claro – é o senhor cuidar um pouco da política. Eu sei, eu sei, o senhor não gosta nem de chegar perto. Mas será que não dá para mandar alguns políticos honestos para alguns países? Eu não quero puxar para o nosso lado, mas, convenhamos, estamos precisando um pouco mais do que os outros. Além do mais, pensa bem. Talvez com alguns bons homens no governo, todo o resto se resolva por si.
Vamos ver o que dá para se fazer. Só mais uma coisa... O Trump! O senhor viu o que aconteceu, certo? Será que dá para voltar no Tempo e acertar aquele tal de colégio eleitoral que foi eleito?
Está bem, está bem. Eu sei que estou querendo demais...  Pelo menos, tenta, vai!

 

 

Alle Rechte an diesem Beitrag liegen beim Autoren. Der Beitrag wurde auf e-Stories.org vom Autor eingeschickt Flavio Cruz.
Veröffentlicht auf e-Stories.org am 03.12.2016.

 

Leserkommentare (0)


Deine Meinung:

Deine Meinung ist uns und den Autoren wichtig! Diese sollte jedoch sachlich sein und nicht die Autoren persönlich beleidigen. Wir behalten uns das Recht vor diese Einträge zu löschen! Dein Kommentar erscheint öffentlich auf der Homepage - Für private Kommentare sende eine Mail an den Autoren!

Navigation

Vorheriger Titel Nächster Titel


Beschwerde an die Redaktion

Autor: Änderungen kannst Du im Mitgliedsbereich vornehmen!

Mehr aus der Kategorie"Politics & Society" (Kurzgeschichten)

Weitere Beiträge von Flavio Cruz

Hat Dir dieser Beitrag gefallen?
Dann schau Dir doch mal diese Vorschläge an:

Paixão de Astronauta - Flavio Cruz (Science-Fiction)
Pushing It - William Vaudrain (General)