Flavio Cruz

Eu não existo


Ferguson era seu nome. Inteligentíssimo, executava suas obrigações com maestria, dedicação, eficiência. Embora fosse altamente técnico, conseguia demostrar afetividade, compaixão e carinho para com as pessoas. Todos gostavam dele. Era uma espécie de gerente de relações públicas da grande companhia “Simuladores Ultracern”. Na verdade, ele cuidava de tudo. Verificava se a produção estava em ordem, se os funcionários estavam felizes, se o andamento geral da sua unidade estava nos eixos. A maior parte dos trabalhadores tinham funções de monitoração, uma vez que a totalidade das funções mecânicas era feita por robôs.
Um dia, sem mais nem menos, ele confessou para Anita, a sua companheira de trabalho e uma espécie de secretária:
-Anita, acho que eu não existo.
A Anita levou um susto, mas logo se recuperou. Obviamente ele estava brincando. O dia passou assim, mas no dia seguinte, logo cedo, ele sussurrou de novo para Anita:
 -Anita, definitivamente eu não existo.
-Que bobagem, Ferguson! De onde você tirou essa ideia absurda?
-Pequenas coisas, Anita, pequenas coisas. Em primeiro lugar, presta atenção no meu nome. Ferguson! Todo mundo tem nome hispânico por aqui e isso faz sentido pois estamos em Manágua.
-Isso não quer dizer nada! Que absurdo!
-Talvez não, mas isso me fez pensar em outras coisas.
-Que coisas?
-Por exemplo, eu só me lembro de coisas aqui da firma. Não me lembro de nada antes disso. E eu ouço s pessoas conversarem sobre suas vidas, sobre suas infâncias, família. Aliás, eu nem família tenho.
-Isso não quer dizer nada. Eu também não tenho família!
-Talvez você seja como eu. As outras pessoas por aqui são diferentes, posso sentir. Eles têm uma vida, nós não temos.
-Não entendo o que você está dizendo!
-Eu não existo, Anita. Não sou uma pessoa. Vê também não, só que você não sabe.
Anita ficou preocupada com aquela conversa e relatou o incidente para o diretor geral da empresa, como deveria fazer.
Não demorou muito, chegaram alguns robôs, colocaram uma espécie de cartão na nuca do Ferguson e o enfiaram numa cápsula. Foi transportado para uma grande sala do subsolo onde havia estranhas máquinas.
Em segundos saiu o diagnóstico. Realmente não era para o Ferguson estar trabalhando ali, naquela unidade. Ele era uma unidade avançadíssima, preparada para ter autoconsciência e trabalhar em laboratórios avançados do Departamento de Ciência, mas alguma coisa não tinha funcionado bem e ele foi reprogramado para trabalhar em Manágua.
 Alguém, porém, tinha esquecido de desativar a função de autoconsciência de Ferguson, e de repente ele começou a se sentir estranho, como se não existisse.
De fato, ele não existia. Não existia como ser humano, embora tivesse quase tudo que um humano tem.
Era o ano 3021 e as máquinas inteligentes estavam por toda a Terra. Os humanos apenas faziam o controle e eram servidos por elas.
 

 

 

Alle Rechte an diesem Beitrag liegen beim Autoren. Der Beitrag wurde auf e-Stories.org vom Autor eingeschickt Flavio Cruz.
Veröffentlicht auf e-Stories.org am 27.05.2016.

 

Leserkommentare (0)


Deine Meinung:

Deine Meinung ist uns und den Autoren wichtig! Diese sollte jedoch sachlich sein und nicht die Autoren persönlich beleidigen. Wir behalten uns das Recht vor diese Einträge zu löschen! Dein Kommentar erscheint öffentlich auf der Homepage - Für private Kommentare sende eine Mail an den Autoren!

Navigation

Vorheriger Titel Nächster Titel


Beschwerde an die Redaktion

Autor: Änderungen kannst Du im Mitgliedsbereich vornehmen!

Mehr aus der Kategorie"Science-Fiction" (Kurzgeschichten)

Weitere Beiträge von Flavio Cruz

Hat Dir dieser Beitrag gefallen?
Dann schau Dir doch mal diese Vorschläge an:

O Noel Rosa, as Mamonas Assassinas e outras coisas bem mais - Flavio Cruz (Humour)
El Tercer Secreto - Mercedes Torija Maíllo (Science-Fiction)
El Tercer Secreto - Mercedes Torija Maíllo (Science-Fiction)