Flavio Cruz

Feriados

 Era o “Veteran’s Day” e comecei a pensar nos feriados. E não é que dá para dizer bastante de um país só de pensar um pouco neles? Este feriado é para homenagear as pessoas que participaram das guerras em que os Estados Unidos se envolveram. Interessante, existe um outro feriado a respeito de coisas de guerra: o “Memorial Day”. Esse é para relembrar os soldados que morreram nas inúmeras batalhas americanas. Outro feriado que envolve coisas de guerra. Nós não temos nenhum dos dois. Temos porém o dia dos mortos em geral, Finados. Os mexicanos, de uma maneira mais direta, o chamam de “Dia de Muertos”. Fica para o eleitor querido, a pergunta, pois nessa não quero me meter: não temos feriados desse tipo – sobre a guerra – porque nunca tivemos de lutar? Nunca quisemos lutar? Ou será que os americanos só pensam em guerra, estão o tempo todo batalhando contra alguém no mundo? E o feriado dos mortos? Será que para eles só interessa quem morreu durante uma batalha? Somos mais sentimentalistas e ele mais práticos?
Dizem que o Halloween serve para uma catarse de nossos medos. Livramo-nos daquilo que nos assusta através da confrontação. E nós, não temos medo? Estamos tão acostumados ao horrores do dia a dia, aos assaltos e aos crimes, que já fazemos nossa própria catarse a todo momento? De qualquer forma, esse não é um feriado oficial, não queremos amedontrar a indústria capitalista com tanta folga.
E o “President’s Day”? Nossos presidentes não são dignos de comemoração e por isso não temos esse feriado? Os presidentes deles são melhores que os nossos? Deus me livre de pensar numa coisa dessas. Pelo menos na parte da independência, os dois países tem um feriado em comum. Se somos realmente independentes, não sei dizer, essa também eu deixo para você responder. Finalmente chegamos ao “Dia de Ação de Graças”. Eles têm, nós não.  Eles têm coisas maravilhosas para dizer “thanks” e nós não? Ou será que somos apenas mal agradecidos? Como disse, não tenho resposta. Talvez tenha algumas, mas não quero ofender ninguém, nem daqui, nem de lá. Às vezes é melhor se calar, mesmo porque, nenhuma das duas nações tem o dia da verdade. Curioso, o primeiro de abril, todo mundo tem...Claro, não é um feriado, é apenas um dia como outro qualquer em que todo mundo trabalha. Alguns poucos, é verdade, só fazem de conta que trabalham...

 

Alle Rechte an diesem Beitrag liegen beim Autoren. Der Beitrag wurde auf e-Stories.org vom Autor eingeschickt Flavio Cruz.
Veröffentlicht auf e-Stories.org am 09.09.2015.

 

Leserkommentare (0)


Deine Meinung:

Deine Meinung ist uns und den Autoren wichtig! Diese sollte jedoch sachlich sein und nicht die Autoren persönlich beleidigen. Wir behalten uns das Recht vor diese Einträge zu löschen! Dein Kommentar erscheint öffentlich auf der Homepage - Für private Kommentare sende eine Mail an den Autoren!

Navigation

Vorheriger Titel Nächster Titel


Beschwerde an die Redaktion

Autor: Änderungen kannst Du im Mitgliedsbereich vornehmen!

Mehr aus der Kategorie"Politics & Society" (Kurzgeschichten)

Weitere Beiträge von Flavio Cruz

Hat Dir dieser Beitrag gefallen?
Dann schau Dir doch mal diese Vorschläge an:

O reloginho está marcando três horas - Flavio Cruz (General)
Pushing It - William Vaudrain (General)