Flavio Cruz

Expressões que expressam muito...


A gente gosta mesmo de usar expressões ao invés de dizer a coisa diretamente. Talvez porque assim “tenha mais graça”. E aí foi, escapou a primeira, “ter graça”. E não é a mesma graça de “ela é uma graça” e muito menos de “comida de graça”, o que não acontece “nem que a vaca tussa” ... Por que dizemos, por outro lado, quando alguém “se deu mal” – mais uma – que o fulano “dançou”? O que “dançar” tem a ver com isso? E, vejam bem, não pode ser “bailar”, a não ser que, como a Rita Lee, você queira “bailar no esconderijo”, mas o significado dessa é melhor você perguntar para ela mesmo... Se, ao invés da bela arte da dança, você quiser usar a arte da guerra, você pode usar uma mais antiga que é “o tiro saiu pela culatra”. Nesse caso, até dá para entender, porque culatra é a parte de trás da arma e a bala atingiria você mesmo. Por falar nisso, por que usar a mesma palavra - bala - para uma coisa tão doce e um projétil que pode matar? Já, quando falamos “manda bala”, fica fácil entender, alguém está querendo que você faça as coisas na mesma velocidade do projétil.
Fico preocupado quando a gente usa a expressão “acabar em pizza”, afinal de contas, é uma coisa triste, quer dizer que as pessoas não aplicaram as regras do jeito que deveriam. Deveríamos chorar e não ficar comendo. É claro, estou sendo inocente aqui, quem está a comendo a pizza são eles, e não nós. Existem expressões que são parentes, acho até que são irmãs. Por exemplo a tal da expressão “acabar em pizza” deve ser no mínimo prima daquela outra “grana por fora” ou, ainda, “quebrar o galho”. Quando essas coisas acontecem, geralmente a grana é do povo, embora seja “uma grana preta” – pois é sempre muita – e o galho que quebra é sempre o nosso e não deles. Estou falando que a “a grana foi preta” sem saber, pois, nós, o povo, nem vimos a “cor da grana”. No máximo, “comemos grama”.  Além do mais, não estamos sempre “no buraco”? Claro, foi lá onde caímos quando o “galho quebrou”. Isso é só para gente importante, porque para pobres mortais como nós, só existe o “dá um jeitinho”, mas do jeito que está, para nós nem esse “jeitinho” existe mais...
Para terminar, não “em pizza”, é claro, estou preocupado com o fato de que para pessoas sem recursos, além de nada “acabar em pizza”, eles quase sempre veem a “pizza acabar” antes de chegar. Na verdade, eles nem pediram a dita cuja pois o dinheiro nunca é suficiente para tal no final de semana. No máximo, as coisas acabam em “feijão com arroz”, uma coisa comum, que também é uma expressão, mas não para os sem recurso, pois, no caso destes, “feijão com arroz” não é uma expressão, é arroz com feijão, mesmo, e olha lá...

 

Alle Rechte an diesem Beitrag liegen beim Autoren. Der Beitrag wurde auf e-Stories.org vom Autor eingeschickt Flavio Cruz.
Veröffentlicht auf e-Stories.org am 18.07.2015.

 

Leserkommentare (0)


Deine Meinung:

Deine Meinung ist uns und den Autoren wichtig! Diese sollte jedoch sachlich sein und nicht die Autoren persönlich beleidigen. Wir behalten uns das Recht vor diese Einträge zu löschen! Dein Kommentar erscheint öffentlich auf der Homepage - Für private Kommentare sende eine Mail an den Autoren!

Navigation

Vorheriger Titel Nächster Titel


Beschwerde an die Redaktion

Autor: Änderungen kannst Du im Mitgliedsbereich vornehmen!

Mehr aus der Kategorie"Humour" (Kurzgeschichten)

Weitere Beiträge von Flavio Cruz

Hat Dir dieser Beitrag gefallen?
Dann schau Dir doch mal diese Vorschläge an:

A biblioteca de Laurentz: Dom Casmurro nas estrelas - Flavio Cruz (Science-Fiction)
Heaven and Hell - Rainer Tiemann (Humour)
A Long, Dry Season - William Vaudrain (Life)