Flavio Cruz

A Matemática da religião


 
Escrever sobre religião é uma coisa muito perigosa. Sempre alguém fica furioso, o que, na verdade, não é nada religioso. Lá vou eu, entretanto. Peço desculpas por antecipação se ofendo alguém, não é minha intenção. A maior parte das grandes religiões, afirma que, quem estiver professando a fé errada, ou seja, outra que não seja a sua, deverá ir para algum tipo de inferno. Pensando assim, melhor que a correta seja o Cristianismo, uma vez que se constituem em 2.2 bilhões. Menos gente no inferno, mais gente no paraíso. Os muçulmanos vêm logo atrás, com 1.6 bilhões. Nesse caso é aconselhável que católicos e protestantes, sendo ambos cristãos, fiquem juntos, pois, separados, vão enfrentar as chamas do inferno, por se tornarem minoria. É aconselhável deixar as diferenças de lado e ficar só com o que têm em comum. Uma questão de sabedoria. Fico preocupado, entretanto, com a possibilidade de os hinduístas estarem com a razão. Eles são 1,1 bilhão e vêm logo atrás na contagem. Nesse caso, seríamos, os outros, mais de 3.8 bilhões indo para as chamas eternas. Seria um desastre.
Fiquei preocupado, também, com uma tal de religião chamada Movimento Rastafári, que tem apenas 600 mil adeptos. Até acho muito, por outro lado. Rastafári? Se todo o resto das religiões estiver errado e só ela certa, vão ser bilhões de pessoas no inferno. Haja lotação! Nem quero pensar numa coisa dessas!
Quero pensar, no entanto, em algo melhor. Que todas as religiões encontrem o que elas têm de bom em comum e esperem um Deus compreensivo e misericordioso perdoando a todos. Quanto àqueles que matam e fazem outras barbaridades em nome de Deus, só Ele mesmo para perdoar, pois nossa capacidade humana não chega a tanto. Quanto àqueles que maltratam as criancinhas, o próprio Cristo falou: “Ai daqueles que...”. Não sei se entendi direito, mas acho que nem Ele mesmo perdoa, com o perdão da palavra. Mas quem sou eu para falar?
Por outro lado, todos sabem, com certa naturalidade, o que é certo e errado, com minúsculas diferenças, e o resto é só perfumaria. Tenho certeza de que o Ser Supremo não vai se basear em perfumaria para controlar a entrada no céu. Mas, repetindo, aqueles que abusam de crianças, não sei não... Melhor botar as barbas de molho.

 

Alle Rechte an diesem Beitrag liegen beim Autoren. Der Beitrag wurde auf e-Stories.org vom Autor eingeschickt Flavio Cruz.
Veröffentlicht auf e-Stories.org am 28.06.2015.

 

Leserkommentare (0)


Deine Meinung:

Deine Meinung ist uns und den Autoren wichtig! Diese sollte jedoch sachlich sein und nicht die Autoren persönlich beleidigen. Wir behalten uns das Recht vor diese Einträge zu löschen! Dein Kommentar erscheint öffentlich auf der Homepage - Für private Kommentare sende eine Mail an den Autoren!

Navigation

Vorheriger Titel Nächster Titel


Beschwerde an die Redaktion

Autor: Änderungen kannst Du im Mitgliedsbereich vornehmen!

Mehr aus der Kategorie"Thoughts" (Kurzgeschichten)

Weitere Beiträge von Flavio Cruz

Hat Dir dieser Beitrag gefallen?
Dann schau Dir doch mal diese Vorschläge an:

A ultradireita e as “margaritas” - Flavio Cruz (Politics & Society)
Heaven and Hell - Rainer Tiemann (Humour)