Flavio Cruz

O paraíso da Terra

 
A paisagem era tão diferente que, por um instante, você poderia pensar que era artificial ou virtual. Entretanto, era verdadeira. As árvores ao pé da montanha, ao longe, eram descomunalmente altas, e havia poucas folhas nelas. Dessa forma podia se ver bem a casca quase vermelha de seu tronco e de seus galhos.  A relva era de um verde, que, em alguns pontos se aproximava muito do azul. Por se falar em azul, o céu era muito claro, bastante diáfano. E finalmente, o que realmente surpreendia, era o tamanho do sol. Seu diâmetro era pelo menos duas vezes maior que o normal.
Lá estavam os dois jovens, vestidos de túnicas brancas, conversando enquanto andavam pela estranha relva que, aliás, fazia um ruído quase imperceptível sob seus pés. Obviamente sua constituição era diferente de qualquer outra. A conversa era animada e os dois pareciam felizes. Ele tinha o rosto raspado, completamente liso, e os cabelos eram de um tom castanho claro. Parecia ter uns vinte anos, entretanto tinha, na verdade, mais de quarenta.  Ela tinha vinte e cinco mas parecia ter uns quinze. Cabelos loiros curtos, uma pele também absolutamente lisa e certamente era extremamente bela. Uma beleza diferente, teria de admitir.
Já estavam andando há uns trinta minutos e iam em direção às grandes árvores. Gesticulavam um pouco, riam, às vezes paravam por uns instantes. De repente, o firmamento, que já era muito mais claro do que o normal, ficou ainda mais claro. Muito mais claro. E então, pôde se ver um espetáculo realmente inédito, inesperado, praticamente surrealista. Um segundo sol, pouco menor do que o primeiro, mas muito maior do que o da Terra, surgiu do lado noroeste, fazendo um ângulo de 45 graus em relação ao primeiro que já estava com mais de um terço da sua rota cumprida. Um espetáculo que nos deixaria sem palavras.
Os jovens, entretanto, mal prestaram atenção ao fenômeno. Era um dia como outro qualquer para eles. Eles eram habitantes do planeta Niverden, a 7 anos luz da Terra. Eles eram bisnetos dos primeiros moradores, que haviam chegado há mais de 400 anos, do nosso planeta. Vieram para colonizar o novo planeta e viajaram com mais trinta naves espaciais, com muito equipamento e suprimentos. Mais do que precisavam. Era um mundo extraordinário, muito melhor do que a Terra em recursos naturais.
Liev e Votran, os dois jovens, só conheciam a Terra através de relatos e de estudos que faziam em suas “escolas”.
Niverden era um mundo extraordinariamente bonito, feliz, cheio de vida e riquezas.  A colonização tinha sido um sucesso.  Era, poderia se dizer, o paraíso da Terra.

 

Alle Rechte an diesem Beitrag liegen beim Autoren. Der Beitrag wurde auf e-Stories.org vom Autor eingeschickt Flavio Cruz.
Veröffentlicht auf e-Stories.org am 17.06.2015.

 

Leserkommentare (0)


Deine Meinung:

Deine Meinung ist uns und den Autoren wichtig! Diese sollte jedoch sachlich sein und nicht die Autoren persönlich beleidigen. Wir behalten uns das Recht vor diese Einträge zu löschen! Dein Kommentar erscheint öffentlich auf der Homepage - Für private Kommentare sende eine Mail an den Autoren!

Navigation

Vorheriger Titel Nächster Titel


Beschwerde an die Redaktion

Autor: Änderungen kannst Du im Mitgliedsbereich vornehmen!

Mehr aus der Kategorie"Science-Fiction" (Kurzgeschichten)

Weitere Beiträge von Flavio Cruz

Hat Dir dieser Beitrag gefallen?
Dann schau Dir doch mal diese Vorschläge an:

Declaração de amor dos sessenta - Flavio Cruz (War & Peace)
El Tercer Secreto - Mercedes Torija Maíllo (Science-Fiction)
A Long, Dry Season - William Vaudrain (Life)