Flavio Cruz

A Invasão

 
Estação Polar Myriad, Polo Sul. O enorme telescópio apontava para uma galáxia distante. Bernard e seus homens estavam encerrando seu dia. Julius ficaria no turno seguinte, fazendo vigília, tentando descobrir os segredos ocultos nas estrelas. Em toda a paisagem havia uma paz fora do normal, apenas perturbada pelo zumbido insistente do vento.
Algo, entretanto, começou a incomodar Bernard.  Era alguma coisa ainda indefinida, incerta, mas nem por isso menos inquietadora. Julius começava também a ficar agitado, podia se dizer. Depois de muito convívio, aprende-se muito sobre uma pessoa. Bernard colocou a jaqueta termal e saiu um pouco. Estava escuro. O que se via lá fora, era só a luz do alojamento se projetando no gelo. Notou então, uma outra luz, tênue, verde, a uns dois quilômetros de distância e que antes não estava lá.
Repentinamente o zumbido do vento não era mais o zumbido do vento. Bernard sentiu algo muito estranho, ao mesmo tempo assustador e poderoso. Agora, conseguia ver com incrível precisão, muito longe, como se fosse dia. Sentia cada ser vivo, até debaixo do gelo, como se estivesse em seu cérebro. Podia sentir o ritmo cardíaco de cada um de sua equipe, podia sentir o correr do sangue em cada veia e artéria de cada um deles. Ouvia sons, antes inaudíveis, mínimos, com um detalhe sem comparação.  Seu corpo estava transformado. Parecia um ser com superpoderes.
Então, ele soube. Não era ele, era alguém que havia invadido seu corpo. Era aquele ser vendo, sentindo e vivendo através de seus nervos, seus músculos, seus neurônios e seus órgãos. Agora sabia que aquele ser tinha vindo daquela tênue luz verde, uma espaçonave alienígena. Podia ver dentro dela, podia entender seu mecanismo, podia tudo. Mas não era ele, sabia. Era um outro ser e, agora, o seu próprio ser, estava se desvaindo. Sabia que todos da tripulação haviam sido tomados. Sabia.
Não muito longe dali, a enorme nave, fazia seu caminho para dentro do gelo, que se derretia para recebê-la. Ali iria ser seu estacionamento, durante a missão. Bernard, Julius, todos estavam tomados, não eram mais eles. Seus corpos estavam sendo usados. Através do sistema de comunicação da estação polar, e dos corpos que haviam tomado, os estranhos seres da nave enviavam pedidos de resgate. Em breve sairiam dali, iriam partir para o mundo. Disfarçados de humanos. A nave, agora, já estava totalmente submersa, escondida na profundidade do gelo.
A cem quilômetros de Barrow, norte do Alaska, o comandante americano Brendon também estava sentindo superpoderes. Sabia tudo que estava acontecendo a milhas de distância, com uma precisão milimétrica. Também ouvira o zumbido e agora podia ver uma luz tênue verde, vindo de dentro do gelo profundo.
No meio do Pacífico, uma fragata da Marinha Americana passava pelo mesmo processo e o estacionamento da nave eram as profundezas das águas do mar.
Dezenas de outras naves, em várias partes do mundo, estavam chegando. Corpos humanos sadios, perfeitos, sendo assumidos por uma inteligência superior.
Era o começo da invasão.

 

Alle Rechte an diesem Beitrag liegen beim Autoren. Der Beitrag wurde auf e-Stories.org vom Autor eingeschickt Flavio Cruz.
Veröffentlicht auf e-Stories.org am 14.06.2015.

 

Leserkommentare (0)


Deine Meinung:

Deine Meinung ist uns und den Autoren wichtig! Diese sollte jedoch sachlich sein und nicht die Autoren persönlich beleidigen. Wir behalten uns das Recht vor diese Einträge zu löschen! Dein Kommentar erscheint öffentlich auf der Homepage - Für private Kommentare sende eine Mail an den Autoren!

Navigation

Vorheriger Titel Nächster Titel


Beschwerde an die Redaktion

Autor: Änderungen kannst Du im Mitgliedsbereich vornehmen!

Mehr aus der Kategorie"Science-Fiction" (Kurzgeschichten)

Weitere Beiträge von Flavio Cruz

Hat Dir dieser Beitrag gefallen?
Dann schau Dir doch mal diese Vorschläge an:

O Profeta Mudo - Flavio Cruz (Satire)
El Tercer Secreto - Mercedes Torija Maíllo (Science-Fiction)
El Tercer Secreto - Mercedes Torija Maíllo (Science-Fiction)